dia 26/ago

sexta, 17h

SOB ÁRVORES, NO PARQUE DAS NAÇÕES INDÍGENAS, PRÓXIMO AO MARCO

Porque Somos Mutantes

Cia Fragmento | SP

Classificação etária: 12 anos Duração: 45 minutos

 

Inspirados na obra do escultor e fotógrafo Jason deCaires Taylor, em Porque Somos Mutantes a busca é por um corpo atravessado pela angústia e aceitação de sua impermanência. Taylor cria esculturas e as submerge no mar, formando uma espécie de museu submarino que a natureza se encarrega em modificar, dia após dia. A Cia Fragmento, refletindo sobre ações que independem da nossa vontade, propõe, neste trabalho, discutir processos inevitáveis de transformação em que perdemos o registro do que somos, seja em situações degenerativas, como no Mal de Alzheimer, seja na tentativa, consciente ou não, de que é necessário adequar-se para estar no convívio social. Porque somos mutantes convoca os bailarinos a lidar com a tarefa do indivíduo em grupo, organização, caos, necessidade de pertencimento. Transitando entre memórias e sentimentos, numa linha de tempo não linear, existe uma tentativa fracassada e persistente de encontrar os “eus” que nos travestem.

 

 

Ficha Técnica

 

Coreografia e direção: Vanessa Macedo

Assistente de coreografia: Maitê Molnar
Elenco: Chico Rosa, Daniela Moraes, Diego Hazan, Flávia Tiemi, Iolanda Sinatra, Maitê Molnar e Rafael Edgar.
Estagiária: Tamiris Maróstica
Artista convidado, criação e interpretação de trilha sonora: Murilo Emerenciano
Figurino: Daíse Neves
Luz: Sandro Borelli
Colaboração artística: Angela Nolf
Professores: José Ricardo Tomaselli (clássico) e Vanessa Macedo (contemporâneo)
Arte Gráfica: Gustavo Domingues
Fotos: Leo Lin
Produção executiva: Iolanda Sinatra

Sobre a Cia Fragmento

 

Sob a direção de Vanessa Macedo, a Cia Fragmento de dança, desde sua formação em 2002, desenvolve continuamente pesquisa e criação em dança contemporânea, na cidade de São Paulo-SP. Ao longo de sua existência, produziu 14 trabalhos artísticos, construindo uma linguagem estética autoral que investe na qualidade técnica, mas não abre mão de inseri-la num ambiente reflexivo e emocional. Apresentou-se em vários estados do Brasil e já foi contemplada por diversos editais, destacando: Programa de Fomento à Dança da cidade de São Paulo, Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura (PROAC) e Prêmio Funarte Klauss Vianna.